seiyaku
< Anterior
Página inicial
Proxima >

O Pássaro de Ouro

KHM 057

Era uma vez um rei que tinha um belo jardim, e no jardim havia uma árvore que produzia maçãs de ouro. Essas maçãs eram sempre contadas, e na época que elas começavam a amadurecer eles descobriram que todas as noites faltava uma. O rei ficou muito bravo com isso e mandou que o jardineiro ficasse de vigília todas as noites debaixo da árvore.

O jardineiro colocou seu filho mais velho para olhar, mas, por volta da meia noite ele caiu no sono, e quando era de manhã, mais uma maçã estava faltando. Então, foi pedido ao segundo filho que vigiasse, mas, quando deu meia noite ele também dormiu e na manhã seguinte outra maçã estava faltando. Então, o terceiro filho se ofereceu para ficar de vigília, mas o jardineiro a princípio não queria isso, temendo que algo de mal pudesse lhe acontecer, todavia, no final ele concordou, e o jovem rapaz ficou debaixo da árvore vigiando.

Quando o relógio deu doze badaladas ele ouviu um barulho de folhas se mexendo, e um pássaro, que era todo de ouro, veio voando, e quando ele bateu uma das maçãs com o seu bico, o filho do jardineiro deu um pulo e atirou uma flecha nele. Mas a flecha não causou nenhum ferimento ao pássaro, apenas derrubou uma pena de sua cauda, e depois ele fugiu.

A pena de ouro foi levada para o rei de manhã, e todo o conselho foi convocado para uma reunião. Todos concordaram que ela valia mais do que todas as riquezas do reino: mas o rei disse, "Uma pena não tem utilidade para mim, eu preciso do pássaro inteiro."

Então, o filho mais velho do jardineiro pôs-se a caminho e pensou em encontrar o pássaro de ouro muito facilmente, e quando ele tinha andado uma parte do caminho, ele chegou a uma floresta, e ao lado da floresta ele viu uma raposa sentada, então, ele pegou o seu arco e se preparou para atirar nela. Então, a raposa disse, "Não me mate, porque eu lhe darei um bom conselho; eu sei o que você procura, e que você precisa encontrar o pássaro de ouro."

"À noitinha você chegará numa aldeia, e quando você estiver lá, você verá duas estalagens uma de frente para a outra, uma delas é muito agradável e linda de se ver, não entre nela, mas, passe a noite na outra, embora ela possa parecer muito simples e pobre."

Mas o filho pensou consigo mesmo:

"Ora, o que um animal como este pode saber sobre esse assunto?" Então, ele atirou uma flecha na raposa, mas errou o alvo, e ela levantou seu rabo acima do traseiro e fugiu para a floresta.

Então, ele seguiu o seu caminho, e à noitinha ele chegou na aldeia onde havia duas estalagens, e em uma delas as pessoas estavam cantando, e dançando, e festejando, mas, a outra parecia muito suja e pobre.

"Eu seria um tolo," disse ele, "se eu ficasse nesse lugar imundo, e não me hospedasse nesse lugar encantador", então, ele foi para a casa bonita, e comeu e bebeu a vontade, e esqueceu do pássaro, e do lugar onde morava também.

O tempo passou, e como o filho mais velho não voltava, e ninguém mais tinha notícias dele, o segundo filho decidiu partir, e o mesmo aconteceu. Ele encontrou a raposa, que lhe deu o bom conselho, mas quando ele chegou nas duas hospedarias, o seu irmão mais velho estava na janela onde estavam fazendo uma folia, e gritou para que ele entrasse, ele não conseguiu resistir à tentação, e entrou, e se esqueceu do pássaro de ouro e do lugar onde morava do mesmo jeito.

Otempo passou novamente, e o filho mais jovem também desejou partir para tentar a sorte e procurar o pássaro de ouro, mas o seu pai não quis nem saber disso durante muito tempo, pois, ele gostava muito do seu filho, e tinha medo que a má sorte pudesse surpreendê-lo também, e não deixou que ele partisse.

Todavia, finalmente o pai concordou que o filho partisse, porque ele não tinha sossego em casa, e quando ele chegou à floresta, ele encontrou a raposa, e ouviu dela o mesmo conselho. Ele, porém, agradeceu à raposa, e não confiou na sorte como seus dois irmãos haviam feito, então, a raposa disse, "Sente no meu rabo, e você irá mais rápido."

Então, ele sentou, e a raposa começou a correr, e eles foram pra longe tão rápidos que o cabelo dele assobiava com o vento.

Quando eles chegaram à aldeia, o filho seguiu o conselho da raposa, e sem olhar no entorno, entrou na estalagem pobre e passou lá a noite toda muito a vontade. De manhãzinha, veio a raposa novamente e se encontrou com ele quando ele se preparava para partir, e disse:

"Vá direto por este caminho, até você chegar num castelo, e diante do castelo você verá uma tropa inteira de soldados dormindo profundamente e roncando: não ligue para eles, mas, entre no castelo e va andando e andando até você chegar num lugar, onde o pássaro de ouro fica sentado numa gaiola de madeira, perto dela há uma linda gaiola de ouro, mas não tente pegar o pássaro fora da gaiola mais pobre e coloque-o na gaiola mais bonita, caso contrário você se arrependerá.

Então, a raposa esticou o seu rabo novamente, e o jovem rapaz se sentou nele, e eles caminharam tão velozmente que o cabelo dele assobiava ao vento.

Diante do portão do castelo tudo era como a raposa havia falado: então, o filho entrou e encontrou a sala onde o pássaro de ouro ficava dependurado numa gaiola de madeira, e debaixo dela havia uma gaiola de ouro, e as três maçãs de ouro que haviam sido perdidas estavam bem ali. Então, ele pensou consigo mesmo: "seria muita incoerência levar um pássaro tão belo nesta gaiola simples", então, ele abriu a porta, pegou o pássaro e o colocou dentro da gaiola de ouro.

Mas o pássaro de um um grito tão alto que todos os soldados acordaram, e eles o levaram como prisioneiro e o conduziram diante do rei. Na manhã seguinte a corte se reuniu para julgá-lo, e depois que todos tinham sido ouvidos, ele foi sentenciado a morte, a menos que ele trouxesse ao rei o cavalo de ouro que podia voar tão veloz como o vento, e se ele conseguisse isso, ele poderia ficar com o pássaro de ouro como se fosse dele.

De modo que, mais uma vez ele partiu de viagem, soluçando e muito aflito, quando subitamente, a raposa, sua amiga, encontrou-se com ele e disse:

"Você entende agora o que aconteceu por você não ter ouvido o meu conselho. Mesmo assim, eu vou lhe dizer como encontrar o cavalo de ouro, se você fizer tudo que eu lhe pedir."

"Você deve ir reto neste caminho até você chegar a um castelo onde o cavalo está em seu estábulo, ao lado do cavalo estará um cavaleiro dormindo profundamente e roncando, pegue o cavalo em silêncio, mas, não se esqueça de colocar a sela de couro nele, e não a de ouro que está próxima dele." Então, o filho sentou no rabo da raposa, e ela correu tão veloz que o cabelo dele assobiava ao vento.

Tudo foi bem, e o cavaleiro estava roncando com a mão em cima da sela de ouro. Mas, quando o filho olhou para o cavalo, ele pensou que seria uma pena colocar a sela de couro nele. "Eu colocarei nele a sela boa," disse ele, "tenho certeza que ele merece." E quando ele foi pegar a sela de ouro o cavaleiro acordou e gritou tão alto, que todos os guardas correram e o levaram prisioneiro, e na manhã seguinte ele novamente foi levado diante da corte para ser julgado, e foi sentenciado a morte.

Mas ficou definido, que, se ele conseguisse trazer a bela princesa até ali, ele poderia viver, e o pássaro e o cavalo seriam dele como se ele fosse o dono deles.

Então, ele seguiu a sua jornada muito triste, mas a velha raposa se aproximou e disse: "Porquê você não fez o que eu mandei? Se você tivesse me ouvido, você poderia ter ficado tanto com o pássaro como com o cavalo, no entanto, vou lhe dar mais um conselho. Siga direto por este caminho e de manhãzinha você chegará ao castelo."

"À meia-noite a princesa costuma ir para a casa de banho, vá até ela e dê um beijo nela, e ela permitirá que você a leve embora, mas cuidado para que ela não te peça permissão para ir e pedir a autorização do seu pai e da sua mãe."

Então, a raposa esticou o rabo, e eles correram tão rápido que o cabelo dele assobiava com o vento novamente.

Quando eles chegaram ao castelo, tudo aconteceu como a raposa havia falado, e à meia-noite o jovem rapaz viu a princesa que estava indo ao banho e deu um beijo nela, e ela concordou em fugir com ele, mas implorou chorando que ele permitisse que ela pedisse autorização de seus pais.

A princípio ele recusou, mas ela continuava chorando, e caiu aos seus pés, até que finalmente ele concordou, mas, no momento que ela chegou à casa do seu pai, os guardas acordaram e ele foi levado para a prisão novamente.

Então, ele foi levado diante do rei, e o rei disse: "Você jamais terá a minha filha a menos que em oito dias você remova a colina que impede a visão da minha janela." Ora, esta colina era tão grande que o mundo inteiro não conseguiria removê-la: e tendo ele trabalhado durante sete dias, e tinha feito muito pouco, a raposa veio e disse:

Deite-se e vá dormir, eu farei o trabalho para você." E de manhã, quando ele acordou, a colina não estava mais lá; então, ele foi feliz até o rei, e disse-lhe que agora que a colina tinha sido removida o rei devia lhe dar a princesa.

Então, o rei foi obrigado a cumprir a sua palavra, e lá foram o jovem rapaz e a princesa, e a raposa veio e disse para ele:

"Nós conseguiremos os três: a princesa, o cavalo e o pássaro."

"Ah!" disse o rapaz, "isso seria ótimo, mas, como você pretende conseguir isso?"

"Se você me escutar," disse a raposa, "isso será feito." Quando você chegar ao rei, e ele perguntar pela bela princesa, você deve dizer: "Aqui está ela!" Então, ele ficará muito feliz, e você montará no cavalo de ouro que eles vão dar a você, e estenderás a tua mão para se despedir deles; mas despeça-se da princesa por último. Depois suba ela rapidamente no cavalo atrás de você, bata com as esporas na lateral do cavalo, e fuja a galope o mais rápido que puder."

Tudo deu certo, então, a raposa disse: "Quando você chegar ao castelo onde está o pássaro, eu ficarei com a princesa na porta, e você vai entrar e falar com o rei, e quando ele vir que é o cavalo que ele procura, ele trará o pássaro, mas, você deve continuar sentado, e dizer que você quer dar uma olhada nele, para verificar se ele é o verdadeiro pássaro de ouro, e você o pega em suas mãos e sai a galope."

Isto, também, aconteceu como disse a raposa; eles levaram o pássaro, a princesa montou novamente, e ele foram a galope pela grande floresta. Então, a raposa veio e disse: "Peço para que você me mate, e corte a minha cabeça, e os meus pés." Mas o jovem se recusou a fazer isso, então, a raposa disse: Não vou te ajudar mais te dando conselhos: mas cuidado com duas coisas, não resgates ninguém da forca, e não sente-se nas margens de nenhum rio." Então, lá foi ele. "Bem," pensou o jovem rapaz, "não é difícil cumprir o que a raposa pediu."

Ele continuou a cavalgar com a princesa, até que finalmente chegou na aldeia onde ele tinha deixado seus dois irmãos. E lá ele ouviu um grande barulho e muito tumulto, e quando ele perguntou o que estava acontecendo, as pessoas disseram:

"Dois homens vão ser enforcados." E quando ele chegou perto, ele viu que os dois homens eram seus irmãos, que tinham se tornado ladrões, então, ele disse:

"Será que eles não podem serem salvos de jeito nenhum?" Mas as pessoas diziam: "Não," a menos que ele desse todo dinheiro que tinha para comprar a liberdade dos malandros." Então, ele não parou para pensar no assunto e pagou o resgate, e seus irmãos foram libertados, e voltaram com ele para casa.

E quando ele chegou na floresta onde a raposa os havia avistado da primeira vez, estava tão fresco e agradável que os dois irmãos disseram: "Vamos nos sentar na margem do rio, e descansar um pouco, para comer e beber." Então, ele disse:

"Sim," e esqueceu o conselho da raposa, e se sentou na margem do rio, e como ele não suspeitava de nada, eles vieram por trás, e o atiram ladeira abaixo, e pegaram a princesa, o cavalo e o pássaro, e foram para casa ao encontro do rei, o amo deles, e disseram:

Tudo isso nós conseguimos com nosso próprio trabalho." Então, houve muito regozijo, mas o cavalo não comeu, o pássaro não cantou e a princesa chorava muito.

O filho mais jovem caiu no fundo do leito do rio: por sorte o rio estava quase seco, mas os seus ossos estavam todos quebrados, e a ladeira era tão íngreme que ele não encontrou uma maneira de sair de lá. Então, a velha raposa apareceu mais uma vez, e o repreendeu por não ter ouvido os seus conselhos, caso contrário, nenhum mal lhe teria acontecido.

"Todavia," disse ela, "não posso lhe deixar aqui, portanto, segure no meu rabo e não solte." Então, ela o retirou do rio, e disse para ele, quando ele subiu a ladeira: "Os seus irmãos estão de vigília para te matar, caso te encontrem no reino." Então, ele se vestiu como um aldeão pobre, e foi escondido até à corte do rei, e mal havia atravessado os portões quando o cavalo começou a comer, e o pássaro a cantar, e a princesa parou de chorar.

Pouco tempo depois, ele foi caminhar um dia na floresta, e a velha raposa o encontrou, e implorou para ele com lágrimas nos olhos para que a matasse, cortasse a sua cabeça e os seus pés. E finalmente ele fez o que ela pediu, e nesse instante a raposa se transformou num homem, que era o irmão da princesa, e que havia desaparecido há muitos e muitos anos atrás.

------ fim -----

sections

search 🔍

contact

about
 home

privacy policy

email

© seiyaku.com